Entrevista com Sky

Fomos encontrar Sónia Martins, mais conhecida por Sky após o lançamento do seu segundo álbum “ Quarto da Música” do qual o pré - single deste álbum “O ideal” está disponível no myspace da cantora (www.myspace.com/skyinsonia)

 

 

 

 

HHW: Qual o teu percurso artístico? Quem influenciou o teu desejo de fazer música?
O meu percurso musical iniciou-se era eu ainda muito nova, aos sete anos entrei para o Conservatório de Música, na altura influenciada pelos meus pais. Estudei formação musical, piano e violino durante cerca de oito anos e depois saí por decisão própria. Anos mais tarde fui trabalhar para uma loja de discos, onde me aproximei da música Soul, através de vinis e álbuns dos anos 70 e 80 cujo som me pareceu familiar e me encantou desde a primeira audição. Desde esse momento, e como já escrevia poesia há vários anos, aprendi a fazer beats e comecei por conjugá-los com melodias que tocava no piano. A paixão foi crescendo e tudo foi propício a que editasse o meu 1º álbum dentro de pouco tempo, escrito, gravado, masterizado por mim como forma de conseguir mostrar os meus 1ºs passos na composição musical.


HHW: Porquê " Quarto da música"?
“O Quarto da Música” surgiu porque em minha casa, desde sempre, existe um quarto a que chamamos o quarto da música. É um quarto onde o meu pai e o meu irmão, enquanto músicos, guardam os instrumentos musicais, onde temos cds e fotografias de concertos, etc e era também o quarto onde eu ensaiava desde pequena. Quando me encontrava a escrever para este novo álbum, um dia perguntei à minha mãe onde colocava um instrumento e ela disse “no quarto da música”. E só aí me apercebi que era o nome perfeito para este segundo álbum, onde a inspiração familiar teve uma enorme influência no meu percurso artístico.


HHW: Qual a diferença deste álbum em relação ao anterior?
Este álbum já não foi inteiramente feito por mim, foi gravado num estúdio profissional e os instrumentais ficaram a cargo de produtores de hip hop. As letras são mais confiantes e a métrica, flow, voz, tudo evoluiu. É um álbum um pouco mais maduro, mas essencialmente diferente. Devido aos precalços da indústria que todos nós já conhecemos, demorou algum tempo a ser lançado mas em Setembro está cá fora.
A demora também se deveu ao facto de eu ter criado banda para apresentação do álbum ao vivo. Ter banda para mim sempre foi um objectivo desde o primeiro minuto, estava apenas à espera da altura certa para ter força e unir pessoas de cidades e circuitos diferentes e criar a minha banda, tal e qual como imaginei. Foi isso que fiz, trabalhei muito este ano, tentei levar para a minha banda toda a minha história e o meu mundo, deixando tempo para ouvir também as experiências de cada um deles de forma a alargar o meu projecto e aproximá-lo daquilo que imaginei.
Sinto-me feliz com tudo o que consegui este ano e para este 2º álbum, a criação da banda, impulsionar o grupo de dança “star movement” e essencialmente lançar este meu 2º álbum tão esperado.

HHW: Qual foi o teu critério para a escolha dos convidados?
Não era uma prioridade o meu álbum ter convidados mas gosto de interagir com outros músicos, partilhar ideias e à medida que fui escrevendo as letras fui achando que naquela ou na outra música a presença de aquele cantor ou mc iam dar mais vida e magia à música, foi isso que fiz.

HHW: Como tem sido a receptividade dos concertos após o lançamento do álbum?
Muito boa. Trabalhei muito com a banda de forma a conseguirmos apresentar o melhor espectáculo possível. A passagem dos instrumentais dos produtores para formato banda foi um pouco demorada, exigiu muito empenho por parte dos meus músicos que trouxeram também novas ideias e com isso consegui construir um espectáculo com a sonoridade que pretendia.


HHW: Que tipo de música ouves e quais os nomes que te constituem referências?
Comecei por ouvir Soul Clássico desde muito cedo e só a partir do Soul descobri o Hip Hop. Hoje ouço de tudo, Soul, Funk, Hip Hop, clássicos e novas tendências, bossa nova, rock, jazz e electrónica. Gosto de ouvir as letras, dou importância à mensagem, gosto de sons com Groove, frescos, quentes, batidas e baixos que nos façam dançar.
Gosto de música, está no sangue, é o meu talismã.

HHW: Estás pré-nomeada na MTV como " Best Portuguese Act 2010". Quais são as expectativas? Como se pode votar?
Sim, lancei o meu 1º videoclip do tema “Mulher a Sério” com a participação da Dama Bete e produção do Raez no início do mês de Julho.
Um videoclip feito por amigos (Rui Ferreira e Tiago Silva) de forma independente e que por isso me orgulho do trabalho conseguido no final.
Penso ser esta a razão pela qual fui pré-nomeada para os EMAS e sendo o meu 1º vídeoclip sinto-me bastante motivada com esta nomeação e com o facto de ter sido artista exclusiva Mtv Portugal durante o mês de Julho.
É importante este tipo de iniciativas e ajudas, que para um artista independente como eu só se consegue com muito trabalho. Sempre acreditei em mim, nos meus sonhos, no meu projecto e espero estar também a inspirar outras pessoas a acreditarem nelas próprias.

HHW: Podes falar - nos dos teus projectos futuros?
Tenho sempre novos projectos em mente, a música é demasiado importante para mim para me deixar sossegada. Com todo o apoio que tenho tido ao vivo e por parte do público, sinto-me inspirada para continuar o trabalho feito com a banda e quem sabe criar um novo projecto este ano. Sigo sempre aquilo que sinto porque dessa forma sei que estou a seguir o caminho certo.
Obrigada hip hop web por esta entrevista, obrigada a todos os que leram esta entrevista pelo apoio que me têm dado porque nem sempre é fácil ter força para seguir em frente.
Bless u all e até breve, Sky*

Entrevista por: Sílvia Cruz

Partilhar
Google+