À conversa com Senso Comum

Criado em 2010, nascido de uma ligação pouco usual, Senso Comum é a prova viva que o trabalho com esforço e dedicação acaba por dar os seus frutos. Realista e Nine são os dois MC's originais deste grupo portuense, e mais recentemente, o Dj Dezanove juntou-se à embarcação. Lançaram recentemente a primeira EP, disponível para download aqui no HipHopWeb e nesta entrevista procuramos saber mais sobre este recente projecto oriundo do Porto que promete dar que falar.

 

HHW: Como surgiu a formação de Senso Comum?

Realista: Eu deixo esta para o Nine porque eu de à três anos para cá só tenho flashes do que se passou. Não me lembro de nada, e não consigo colocar as coisas cronologicamente. Tou tipo o Ozzy.

Nine: Senso Comum surgiu de uma vontade enorme de querer alcançar novos horizontes, de querer mais. 
Eu já gravava com uns manos, naquela mítica altura em que tínhamos um microfone e um PC e era tudo bravo, o Realista apareceu através do convite do Furtivo para umas participações nos nossos projectos e logo se  associou ao nosso coletivo! Trabalhávamos em projectos independentes mas ambos participávamos no projecto do outro, fosse em rimas, em produções, em design ou mesmo em simples trocas de ideias e opiniões! 

Daí desenvolvemos uma maior sintonia. Até que a ideia surge. E porque não nos juntamos e criamos um projecto os dois? Levar a nossa cena a outro patamar? A resposta é positiva e pomos logo o projecto em marcha, tínhamos mcs, tínhamos produtores, mas não tínhamos DJ. Conhecemos o Dezanove mais tarde, apresentamos-lhe as demos e perguntamos se ele não queria fazer parte, ele curtiu, identificou-se de certa forma, aceitou e até hoje estamos juntos! Senso Comum!!!

HHW: Quais as vossas maiores influências?
Realista: Como grupo a nossa maior influência, na minha opinião, é o espírito com que estamos quando estamos a criar. O espírito que vem de quando convivemos seja no estúdio ou fora dele. Quando sentimos mutuamente aquele grande instrumental, ou o
Nine tem aquela ideia que eu digo 'txei é mesmo isso, vamos entrar por aí', ou vice-versa.

HHW: Actuaram no IDA a 6 de Outubro no Hard Club como sentiram a recepção do público ao vosso projecto?
Realista: Eram quase só amigos que estavam na plateia, por isso para mim foi quase o mesmo que me verem a rimar no estúdio.
Nine: Na minha opinião acho que houve uma fraca aderência ao espetáculo em si por parte do público, demos o litro na mesma e penso que o público interiorizou a mensagem, tivemos feedbacks mesmo bons o que nos leva a sair de lá com o sentimento de missão cumprida!

HHW: Lançaram também em Dezembro o vosso EP como foi o feedback?
Nine: Tal como depois da actuação no Hard Club os feedbacks têm sido muito bons, diversificamos o projecto e conseguimos chegar a muitos gostos, e a diferentes classes sociais, o povo tem sentido a nossa música! Podemos dizer que estamos satisfeitos!

HHW: Para quando a apresentação ao público?
Nine: Para breve! Estamos a deixar o público saborear bem o projecto! Brevemente divulgaremos as datas! Fiquem atentos!

HHW: Têm 4 convidados na mesma, quais os critérios que usaram nessa selecção?
Nine: Diversidade, algo diferente de nós mas que se identificasse ao mesmo tempo! Buli 2B, P1, Dred e Dj Hipe foram a nossa escolha final! (entre uma infinita lista de possíveis participações onde se incluíam nomes como: Eminem, Sandro G, etc... xD)

HHW: Quais as expectativas para 2013 para os Senso Comum?
Realista: Mais trabalho, mais trabalho, mais trabalho. Grandes mudanças na vida pessoal que possivelmente serão positivas para o grupo. Mais união, mais música, mais concertos. Mais sessões de estúdio pela noite dentro. Rap. muito muito rap, muitos beats, muitas letras, muitos freestyles, muito pessoal a nossa volta. Trabalhar num projeto os três em sintonia, visto que neste primeiro EP o grupo ainda se estava  a formar.

Nine: Continuar a crescer! Chegar ao álbum!

HHW: Realista e Nine, de que forma o facto de serem produtores vos influencia na vossa vertente de MCs?
Realista
: Eu tornei-me beatmaker para poder ter um controlo maior sobre o que estava a criar e para poder escapar aos instrumentais pertencentes a outros artistas. Senti que era um passo que tinha a dar, se queria ter aquela sonoridade, aquele toque. Como influência na parte da escrita, sinto que o peso é quase nulo. Eu raramente escrevo com instrumental. Acho que ainda não atingi um equilíbrio saudável entre a minha produção e a minha escrita. Muitas vezes seguem caminhos independentes que depois eu tento agrupar na mesma estrada. Escrevo algo hoje. Passados dois dias faço um instrumental. Algures no futuro talvez acabem juntos. A maneira como eu gostava que a produção influencia-se a vertente de MC, era conseguir ter flexibilidade criativa o suficiente para de forma eficaz coligar as duas. Ter uma letra com um sentimento e plasticidade suficiente para o transmitir em musica também. Se as duas vertentes dançassem no mesmo passo, acho que tornaria o som muito mais forte. Para já ainda é um caminho um pouco instável, muito a mercê da chance, com o qual por vezes fico mesmo satisfeito e que outras vezes me desilude. Mas já começo a ter aquelas bases que me permitem apoiar para escalar a um 
possível maior controlo futuramente.

Nine: Eu penso que influencia dando uma maior liberdade a nível de métricas e de flows, principalmente quando escrevemos para algo que produzimos ou que ajudamos a produzir!

HHW: Realista e Nine, para quem gostavam de produzir?
Realista: Eu gostaria de trabalhar como produtor com alguém que cantasse, de preferência uma voz feminina que estivesse interessada em explorar uma sonoridade mais negra, cavernosa, depressiva mas ao mesmo tempo com aquele groove, musicalidade, aquela beleza poética. Possivelmente algo a puxar para o trip hop. Eu adoro sons graves, sons suaves, adoro canto. Qualquer artista que estivesse interessado/a em explorar esse lado, comigo como produtor, seria alguém para quem gostaria de produzir. Teria que ser alguém com quem pudesse estar em estudio a sentir o trabalho fluir, ideias a surgirem, passar um bom bocado a fazer música.

Nine: Para qualquer pessoa! Apartir do momento em que alguém pede um instrumental é sinal de que gosta do trabalho! Já me sinto recompensado!

HHW: Com quem gostavam de fazer um som?
Realista: A nível de grupo acho que temos elasticidade suficiente como MC's para trazer a bordo inúmeros estilos de diferentes artistas e conseguir incluir as suas idiossincracias no globo a que no fim podemos chamar comum. Daí Senso Comum. Temos liberdade de escrita e de produção suficiente para trabalhar com quem vier, e mais importante, com quem quer vir. Eu sinto mesmo isso. A nível pessoal, no que se trata dos meus EP's, etc, raramente penso em participações. Sinto que é difícil incluir alguém no que escrevo, porque raramente tenho tema, a escrita ou me sai espontânea e  esporádica, ou compulsiva às 10 folhas de cada vez, e as voltas que dou ao fazer as letras são muito próprias (não necessariamente boas). Não convido ninguém. Sou eu narcisista a tentar criar algo para me tirar obsessões, para desabafar, para me conhecer, descobrir ou solidificar. É uma terapia. Imagina como ir ao psicólogo. Não irias levar ninguém contigo para o gabinete. Isto no que toca a escrita. No que toca ao instrumental, aí tenho todo o espaço do mundo. O que quero é pessoal com instrumentos, com ideias criativas, com vontade de criar. Toda a gente que pára lá no estúdio dá opinião, estando ou não ligado à musica ou seja ou não especialmente de um campo criativo. 

HHW: Dezanove, podemos contar contigo no próximo DMC/IDA?

Dezanove: Para já não. Quem sabe no futuro!

HHW: Dezanove, quais as 5 músicas que provavelmente vão integrar o teu próximo set?

Dezanove: THE HIGH E MIGHTY- THE MEANING, JEDI MIND TRICKS- WEAPON OF UNHOLY WRATH, R.A.THE RUGGED MAN- LESSONS,THE CREATORS- KRONKITE ( ft PHIL DA AGONY ) e PUMPKIN HEAD- TRIFACTOR ( ft SUPASTITION e WORDSWORTH ).

HHW: Que projectos destacam de 2012? 

Nine: Universos do Virtus, Retissências do Deau, A Grande Tribulação dos Dealema, Refeições Habituais do Paiva, Scratch, Trash, Tracks do Dj Hipe, Tributo ao Homem do Bob Da Rage Sense, Vossa Majestade o Vagabundo do Rey, E o nosso EP claro!

HHW: Top 5 quais as músicas que andam a rocar no vosso mp3?
Realista: 'To Forgive is to Suffer' Death, 'Cheesteaks' Vinnie Paz; 'Rabbit Run' Eminem e 'Nowhere Fast' da soundtrack do filme Streets of Fire.

Dezanove: BEKAY- I´M THE REASON (PROD M-PHAZES), PRODIGY- STUCK ON YOU, STRANGE FRUIT PROJECT- YOU(THE ONLY ONES)CUSTOM MADE- MAYBE TOMOROW e ORELHA NEGRA- LUTA.

HHW: E para concluir, que mensagem deixam a todos os seguidores do HipHopWeb?
Realista: Os que estão aqui neste momento a ler esta entrevista de um grupo que ainda não tem um nome por trás e no entanto por gosto estão aqui a querer saber, a manter o interesse, a apoiar, a conhecer, a fazer o movimento dar juz ao nome que tem, é mesmo de valor. Sem ninguém do outro lado para apreciar o que fazemos, tudo se torna obsoleto. Até eu que sou mesmo fechado no fazer de mim para mim sei reconhecer que sem ninguém desse lado para apreciar ou odiar, não vale a pena. Eu tenho uma urge imensa de comunicar. Quero dizer algo, quero ver o acham do que eu digo. E não há como fugir a isso, porque a música é mesmo isso, comunicação  por mais egoísta que seja o tema, por mais definido que seja o estilo. É como estares a ter uma conversa com alguém. E sinto que os seguidores da HipHopWeb ou qualquer outro site, nem tem que ser de hip hop, que seja de rock, de cozinha, de jardinagem. Qualquer pessoa que segue algo e se mantém interessada, por gosto, por paixão, que quer descobrir, que quer aprender mais sobre o que gosta, só pode ser boa gente. Por isso a minha mensagem é de apreço e consideração aqueles que seguem o movimento através deste site, e de ódio aos que perdem tempo a minar seja que site for com comentários mesquinhos e visões curtas.

Partilhar
Google+