Entrevista com DJ Sims

DJ Sims

Confesso que desde que comecei esta rubrica semanal de entrevistas pelos artistas tugas, me havia lembrado do DJ Sims varias vezes, a primeira vez que o vi tocar ao vivo na Fabrica de Som fiquei fascinada com o skill deste Dj e com a sua seleção musical, foi o primeiro DJ português que vi apostar em faixas de Non-Phixion e Necro. Esta entrevista esta repleta de conteúdos interessantes a todos os amantes do Djing e do Rap em geral. DJ Sims e um nome que merece ficar nos vossos ouvidos.

HHW: Estreaste-te em 2004 com a Mixtape "Musica não e Arte" o que te incentivou a tornares-te Dj e porventura a realizar este primeiro projecto? 

DJ Sims: Foi essencialmente o Nuno Araújo aka DJ Puto, que infelizmente já não está entre nós! Foi o primeiro dj em Évora que vi a meter a mão em cima de um disco e isso fascinou-me! A partir daí o caminho normal..juntar dinheiro e deixar de o gastar noutros sítios que não fosse em lojas de discos ou de instrumentos musicais! Conhecer MC´s e fechar o assunto!

HHW: És um dos elementos e fundador do Sistema Intravenoso, como surgiu a fundação deste colectivo?
DJ Sims: Surgiu em meados de 2002/2003 em que eu e o DJ Ronas também de Évora, nos juntávamos para "fazer barulho" à volta de uma mesa de mistura. Decidimos arranjar um nome, logo, a ideia baseou-se na agulha e tinha de ter algo a ver com isso. Passado uns tempos como tudo ocorre a ideia, quando na rua e deparo com uma boca de incêndios e reparo nas duas letras, o S e o I. Pensei para mim, publicidade à borla em tido o território nacional! Foi encontrar duas palavras que entrassem naquela sigla. Ficou Sistema Intravenoso!

HHW: Juntamente com o Pródigo lançaste a mixtape " Onde e Que Ta as Mortalhas", qual  foi o feedback que tiveram deste projecto?
DJ Sims: Foi um feedback interessante visto que foi um projecto completamente independente (como todos os outros do SI até agora). Vendemos praticamente todas as cópias que fizemos o que nos deixou muito contentes visto todo o processo ter sido feito por nós os dois. Tivemos ainda a oportunidade de apresentar a mix em algumas terras do nosso País, onde o feedback, frente-a-frente com o publico nos deixou com mais vontade de continuar, visto termos percebido que havia quem nos queria ouvir.

HHW: Colaboraste também com o Nerve no seu álbum, como e trabalhar com este MC?
DJ Sims: É trabalhar com um artista no seu total sentido! Um diamante a ser lapidado!

HHW: Qual foi o teu primeiro vinil?
DJ Sims: DJ Bomberjack - Colisão Ibérica

HHW: Em que consiste, no teu ver, o Djing?
DJ Sims: Como a própria palavra indica, brincadeira com discos. É arriscar! Liberdade 
musical!

HHW: Quais os teus critérios para a selecção dos sons, nos teus sets?
DJ Sims: Principalmente o meu gosto pessoal. E depois adaptar os estilos musicais aos diferentes momentos do dia. Porque nem sempre se toca à noite para falange de bêbados! Acima de tudo sensibilidade!

HHW: Pensas participar nalguma competicao de turntablism? 
DJ Sims: Sinceramente não. Nunca levei a minha vida na disputa! Participo agora numa liga de scratch, mas com o puro intuito de me cultivar e de conhecer a malta que gosta das mesmas coisas que eu! 

HHW: Preferes vinil ou Final Cut/Serato? Porque?
DJ Sims: Eu prefiro vinil! Mas hoje em dia as duas coisas já não podem andar separadas! Hoje em dia no meu ver um bom DJ sai de casa de computador e de mala de discos! O vinil dá-te o charme enquanto que o Serato te facilita a vida em casas com munições e palcos de má qualidade. São ferramentas de trabalho. E não as vejo 
alheas uma das outras nos dias que correm.

HHW: Que DJs nacionais merecem o teu destaque?
DJ Sims: Todos os que usem vinil e se arrisquem a meter a mão em cima dele durante o seu set!

HHW: Com quem gostarias de colaborar?
DJ Sims: Com todo e qualquer um que quisesse colaborar comigo, desde que no final do dia as duas partes 
saíssem a ganhar!

HHW: Houve alguma situação durante as tuas actuações que te tenha marcado em particular?
DJ Sims: Uma vez que estava a tocar na minha terra, com o Pródigo e o Blasph e a meio da actuação entram no Bar um grupo de rapazes com uma taça na mão de vencedores de um torneio de futsal, torneio no qual também participei, mas não pude participar na final devido ao concerto dessa mesma noite! Acabou se a noite em sessão fotográfica com a taça. Achei demais!

HHW: Como avalias a situação do rap em Portugal? E na tua cidade Évora?
DJ Sims: Tal como em Portugal no geral, em Évora o rap tem melhorado muito! Em qualidade e em quantidade! Temos cada vez mais rappers aptos a percorrer um caminho sólido no rap português!

HHW: Que projectos recentes do rap tuga tem merecido a tua atenção?
DJ Sims: Sou sincero que estou à espera do álbum do Regula! Acho que vem la bomba! De resto ando em cima do pessoal da minha terra! Matilha 401! E claro a minha família mais pura, Sistema Intravenoso, que tem boas coisas para mostrar ainda este ano!

HHW: Para ti quantas vertentes compõem o Hip-Hop?
DJ Sims: As 4 de que sempre se falaram!

HHW: Podes numerar o top 5 das musicas que andas a ouvir?
Dj Sims: Não sou, nem nunca fui de tops! Shadow, Bonobo, Revolution, Dilated Peoples, Kentaro, De La Soul, Madlib, e uma infinidade de outros artistas!

HHW: Para concluir, que mensagem deixas aos visitantes do HipHopWeb?
DJ Sims: Saúde e sorte para passar este momento menos bom do nosso País! Tudo o resto é resto!

Partilhar
Google+