Entrevista com X-Tense

Após 6 anos de pausa, X-Tense voltou ao rap e com mais forca que nunca, pode-se afirmar, e quem não acredita pode ouvir as faixas para pré-audição do seu novo projecto a estrear, 'O Rei Vai Nu', ainda sem uma data de lançamento concreta. Faixas esta disponíveis na pagina do Youtube do artista, só aguçam a curiosidade para este projecto novo que ai vira, onde o seu trabalho vai desde ate ao próprio design gráfico, mas deixo - me de detalhes, a entrevista fala por si. Espero que gostem tanto como eu gostei de fazê-la.

HHW : Faz 6 anos desde a tua aparição na compilação 'Best Off' com o 'O Single', porque tanto tempo ausente?
X: Honestamente, não contava "regressar", ao contrário do que se possa pensar. Não o encarei nunca como uma demora, mas sim como uma agradável surpresa com que fui presenteado, aconteceu! Eu tenho uma relação muito sólida com a música que faço, é provavelmente a coisa que mais me cativa fazer. Por outro lado, a relação que tenho com outros factores externos… deixa a desejar! É pesar tudo isto na balança e ver para que lado tende.

HHW: Mas agora segue -se um projecto novo, ' O Rei vai Nu', qual a razão da escolha do nome deste projecto?
X: "O Rei Vai Nu" é uma expressão que simboliza em muitos aspectos como eu vejo a posição em que estou e que carrega consigo um peso especial. Não me focaria demasiado na expressão "Rei", não acredito sequer que no Hip-Hop exista espaço para um "Rei" no sentido lato, é um espaço comum a todos, de igual para igual. No entanto, a expressão em si, entre "Rei" e "Nu" , de alguém digno de algo que lhe é negado, alguém que tem tudo mas que no fundo não tem nada, a ideia da desproporção entre o que é e o que devia ser, encaixa-me perfeitamente. Isto é , claro, a minha opinião, o que calha bem porque é também a minha Mixtape. À parte de tudo isso, faz parte da competição amigável que idealizo entre os MC's.

HHW: O design desta mixtape também esta elaborado, tiveste algum designer/ilustrador a trabalhar contigo?
X: O design foi também ele da minha autoria, cruza-se em muitos aspectos com a minha profissão. Obrigado pela apreciação no entanto!

HHW: Já lançaste algumas faixas, via youtube, que irão integrar este trabalho, como tem sido o feedback?
X: O feedback tem sido óptimo. Estas faixas serviram um propósito promocional, de reintroduzir-me tanto aos que esperavam que regressasse como a todos estes novos ouvintes que têm ganho interesse no que faço. Tenho recebido muito amor por parte do pessoal, muitos convites para faixas e concertos, etc. Estou muito agradecido a todos mas tento, no entanto, manter-me para já alheio o quanto possível a tudo isso.

HHW: Vai haver um formato gratuito da mixtape, porque esta escolha?
X: Mais uma vez, está de acordo com a maneira como estou a encarar a música e o meu "regresso". Estou a fazê-lo por gosto, ao ritmo que me convier, não estou preocupado quanto tempo demorará a sair. Assim sendo, o ser gratuito faz parte desta mesma atitude, não quero convencer ninguém a comprar nada, quero fazer música.

HHW: Alguma data apontada para o seu lançamento?
X: Na verdade, não...algures ainda em 2013. A minha prioridade de momento está em cimentar a minha vida profissional e pessoal num ritmo bem mais estável do que aquele em que me encontro agora. O tempo que me sobra, dedico à música.

HHW: Como MC consideras que o facto de seres produtor complementa a tua vertente como rapper?
X: Complementa o processo criativo. Posso direccionar de forma mais eficaz aquilo que pretendo fazer do ponto de vista musical, construir uma base sólida para o que queira escrever. No entanto, acaba por ser uma preocupação que quis pôr de parte em muitas das faixas desta Mixtape, usando alguns instrumentais não originais. Tornou o processo mais ligeiro e credivel, tendo em conta o tempo de que disponho.

HHW: As redes sociais apontam- te como um dos MCs com mais haters na Tuga, achas que a tua postura no rap esta relacionada com isso?
X: Pergunta peculiar. Estou certo que a minha postura é uma consequência do meio em si e não o contrário. Sempre fui bastante claro e honesto sobre tudo o que penso e isso complicou tudo desde o inicio. Também não forço esta falsa modéstia que me tentam vender, a ideia de que tens de agir como um coitadinho. Não sou um coitadinho, nem por sombras, sou o primeiro a defender o valor das coisas que faço e isso parece cair mal no goto do mais inseguro. Confesso, por fim, que possa nem sempre ter sido muito tolerante quanto a tudo isto e comprei muita briga desnecessária no passado, atitudes nas quais não me revejo. Não me refiro à famosa troca de músicas que toda a gente conhece, refiro-me sim à possibilidade da minha liberdade poder, em certas alturas, ter invado a liberdade de alguém. De qualquer das formas, não há maior indicador de qualidade, enquanto artista, do que ter pessoas que te têm uma "pirraça" de estimação, é mais um sinal de que és relevante.

HHW: Achas que e caso para dizer que os ditos 'beefs' alimentam e motivam a tua escrita?
X: Não mais do que qualquer outra coisa. Tudo na minha vida tem efeitos, maiores ou menores, em mim e esses mesmos efeitos vão se fazer sentir na minha música. Claramente que faixas como "Diz que Disse" têm tudo isso como pano de fundo, não preciso dizê-lo, é claro como água!

HHW: Tens algum hatter favorito?
X: Não, mas… se tivesse com certeza não lhe ofereceria o "tempo de antena" gratuito que a pergunta suscita.

HHW: Em 2010 lançaste a plataforma on-line 'The Hustle' em que consistia este projecto?
X: Na verdade não cheguei a lançar. Essa história tornou-se pública porque a Joana Nicolau, com meu consentimento, quis usar esse projecto como exemplo num artigo que escreveu. Eu enquanto ilustrador e produtor, tive muitos projectos pagos dentro do meio. Tive também por vezes dificuldade em encontrar determinada pessoa que faça algo que necessito. Então o site era, tal como o nome indica, uma plataforma para que pessoas do mesmo meio, dispostas a prestar serviços ou em busca de algum serviço, seja Instrumentais, Design, Audiovisuais, Fotografia, Estúdios, o que for, tivessem uma facilidade muito superior de gerar dinheiro e trabalho. Isto traria inúmeras vantagens ao meio, até mesmo do ponto de vista relacional.

HHW: No teu ver consideraste um rapper polémico?
X: Epá…vou dobrar a pergunta e dizer que, tenho a noção que existe alguma polémica quando o meu nome está envolvido. Não tenho a mínima pretensão a tal.

HHW: No teu ver como avalias o Rap tuga?
X: O Rap Tuga está com umas iniciativas novas porreiras para quem quer mostrar o que faz e por isso têm aparecido muitos manos a dar diversidade à nossa praça, que é algo muito importante. Em termos de mercado e de viabilidade financeira para os artistas está ainda muito aquém do que poderia ser. Já em termos de qualidade da música em si, diria que depende do que tu procuras e designas como qualidade, depende do que te trouxe ao Hip-Hop em primeiro lugar. No meu caso em particular, aquilo que me apaixona no género musical, não encontro com muita regularidade por cá.

HHW: Que lançamentos recentes da Tuga despertam a tua atenção?
X: Peço desde já desculpa mas vou saltar a pergunta. Faço questão de ir ter com as pessoas e dizer-lhes pessoalmente que curti determinada cena. Live and Learn.

HHW: Podes me numerar o Top 5 das musicas que andas a ouvir?
X: O meu "Top 50" é feito de música com 10 anos ou mais, mas tentando ter em conta o que tem saído:
Nas & Scarface - Hip-Hop J.Cole - Power Trip Hopsin - Ill Mind of Hopsin 5 Kendrick Lamar & Dr.Dre - The Recipe Weeknd - Rolling Stone

HHW: Para concluir que mensagem deixas aos visitantes do HipHopWeb?
X: Se não tiveram ainda oportunidade de ouvir o que tenho vindo a lançar , passem no meu canal de Youtube que eu acho que vale a pena ..! Muito love para todos os intervenientes e expectadores do nosso Hip-Hop. One.

Partilhar
Google+