Capicua: "Não peço desculpa por ser quem sou"

Depois do sucesso de 'Sereia Louca', no ano passado, a rapper do Porto lançou 'Medusa', com dois temas novos e várias remisturas, e arranca hoje com uma nova digressão.
"Há sempre uma enorme expectativa em relação às mulheres. Não basta sermos boas naquilo que fazemos, temos de ser bonitas e nunca partir uma unha e ainda temos de ter tempo para ir ao ginásio e só comer alface. Eu não sou essa pessoa. E não tenho de viver com o peso dessa expectativa. Não só não me sinto culpada em não ser essa pessoa como tenho orgulho em ser como sou. O que é espantoso é que esta coisa tão simples que é seres tu própria é algo subversivo nas mulheres. Esta atitude despojada de fazer a minha música e dizer o que tenho a dizer é subversiva na nossa sociedade."

É um prazer ouvi-la falar. E não é só por causa da pronúncia do Porto. É porque Capicua, a rapper de 32 anos, é uma dessas mulheres subversivas no melhor sentido da palavra - aquela que tal como a "Medusa" da canção "é livre, e vive a vida dela".

in DN Artes

Partilhar

Artigos Relacionados

Google+