Capicua e Expeão na D'Bandada 2013

No passado Sábado, a 3ª edição da D’Bandada trouxe à baixa do Porto mais de 50 concertos, uma verdadeira inundação de música e sobretudo de pessoas ansiosas por mais uma noite de festa.
A programação começa pela tarde, até temos direito a uma fita daquelas de pôr ao pescoço com um programa desdobrável e quase impossível de seguir à risca.
São centenas de pessoas que se juntam em fila à porta dos locais fechados com concertos, sejam cafés ou bares, pelo que foi mesmo impossível estar no interior do Café Aviz, para ouvir as palavras de Capicua e amigos. Maze (Dealema), Aline Frazão e André Henriques (Linda Martini) juntam-se a Ana (Capicua) para uma sessão bem intimista de “Língua Franca”, simplesmente palavra dita. É aqui que se nota a fusão de cultura e gerações, o rap entrelaça-se com poesia e histórias bem portuguesas, e o público de todas as idades parece gostar. Desta vez não há música, as palavras ganham um impacto bem maior e são ouvidas e saboreadas de maneira diferente.

Este silêncio acaba quando nos dirigimos à Praça dos Leões a correr para ainda conseguir ver o concerto de Expeão, desta vez no Coreto da Cordoaria. O espaço rodeado de jardins e bares abertos convida a muita animação, e é isso mesmo que acontece.

Expeão e a sua banda, Os Infiltrados, mostram que o hip-hop não é só rimas, também há muito rock!

Expeão mostra mais da sua identidade com este novo álbum, “O fim de todas as estradas”, e consegue ter um público muito presente, sobretudo quando se ouve “O teu amor por mim”, single cantado por todos, e “Bairro”, já bastante familiar. O baixo de Guito Maldiva soa ao que todos gostamos de ouvir, Tiago Pintus dá o beat necessário na bateria, e Miguel Azevedo brilha discretamente na guitarra. Em “Poeta falhado”, Expeão consegue criar um momento de intimidade com o público, em que Sérgio Alves toma conta das teclas como poucos o sabem fazer.

Chegamos ao fim com a sensação de que este Expeão está cá para ficar, pois apesar dos problemas de som durante o concerto, conseguiu fazer a festa dentro de uma grande festa!

Estava instalada a confusão nas ruas do Porto, ninguém debandou cedo, pelo contrário, andaram todos bem juntos e à procura do mesmo: música!  

 

Partilhar

Artigos Relacionados

Google+